Classificação etária de filmes, séries, novelas, jogos e páginas da internet:

A importância do controle dos pais.

Décadas atrás, quando ainda não havia internet, nem Netflix e assemelhados, quando só havia canais abertos de televisão e cinema, a classificação etária dos filmes e novelas era bem mais simples e realizado pelas salas de cinema e canais de televisão.

Com o advento da internet de alta velocidade, que permitiu o aparecimento de Netflix e outros serviços de streaming, esse controle, que antes era realizado pelos fornecedores de serviços, deixou de existir e, com isso, nossos filhos ficaram expostos a uma gama de produtos que, muitas vezes, extrapolam suas capacidades de absorverem tamanha intensidade de temas inadequados para suas idades. Junto a isso, cresceu muito a indústria de jogos eletrônicos com muitos jogos com forte apelo para a violência, em geral associados a uma total falta de valores e regras, nos quais o jogador pode (como se o jogador possa) fazer qualquer coisa, mesmo que ela seja totalmente descabida de humanidade.

Sobre esse tema, o artigo apresentado em https://hospitalsantamonica.com.br/jogos-violentos-induzem-comportamentos-violentos-nas-criancas-conheca-os-riscos/ conclui:

“Segundo uma pesquisa divulgada pela CNN, mais de 90% das crianças norte-americanas jogam videogame. O índice aumentou para 97% no grupo entre adolescentes de 12 a 17 anos. Esse mesmo estudo analisou o conteúdo dos jogos virtuais e concluiu que 85% deles apresentam alguma forma de violência.

Conforme a conclusão dos pesquisadores, o consumo de mídia e de jogos violentos aumenta a agressão em crianças. Os impactos podem ser perceptíveis em curto e em longo prazo. Há, ainda, o risco potencial de esse comportamento violento persistir até a idade adulta, o que pode comprometer a vida pessoal, afetiva e profissional.

Para chegar a essa conclusão, o estudo comparou o comportamento dos jogadores virtuais com crianças da mesma idade, mas que não têm esse hábito.

Portanto, as estatísticas indicam os perigos relacionados ao consumo de jogos violentos. Essa situação serve de alerta para os pais, professores ou outras pessoas do convívio das crianças, que estão expostas aos riscos dessas influências. A orientação é buscar ajuda profissional o quanto antes a fim de evitar a evolução para quadros mais graves e reduzir o impacto desse problema.”

O que queremos para nossos filhos?
Queremos eles saudáveis, com bons valores, ou arriscamos expô-los ao excesso de tudo que seja contrário ao que pensamos?

Para termos controle sobre tais conteúdos, algumas medidas simples podem ser adotadas:

- Não comprar jogos eletrônicos com forte conteúdo de violência e inadequados para a idade.

- Em seus computadores e celulares, instalar softwares de controle de pais (os softwares de antivírus possuem tais ferramentas).

- Também nas televisões existem mecanismos de controle de conteúdo que podem ser utilizados.

- Oferecer opções saudáveis de lazer, incentivar a leitura, jogos de tabuleiro, jogos que requeiram coordenação fina (Jenga, pega-vareta), oferecer a prática de esportes, sejam coletivos ou individuais, são boas opções para o amadurecimento saudável de nossos filhos e que devem ser consideradas.

Elisa Schlodtmann